> Hoje tem Thaís Gulin @ Studio SP!

10 11 2011

> Essa quinta-feira, 10 de Novembro acontece o show da Thaís Gulin @ Studio SP!

O trombone que leva a introdução de ôÔÔôôÔôÔ, o violão que conduz a harmonia, a marcação precisa do surdo (do especialista Gordinho) e até um apito que se ouve ao fundo nos dá a certeza de que estamos, sim, em pleno Rio de Janeiro e entrando no universo do samba. Na mesma introdução, uma sutil guitarra distorcida, os silêncios e as poucas notas de um piano Rhodes nos fazem lembrar que sim, estamos no samba, mas de certa forma vendo as coisas, senão de fora (pois trata-se de um samba de verdade, ou um antissamba-enredo), com o frescor de quem chegou de fora, cheio de ideias novas.

O surpreendente samba autoral que abre e batiza o segundo disco da cantora e compositora curitibana radicada no Rio Thaís Gulin – composto no carnaval de 2010 antes do desfile da Mangueira, sua escola de coração – é tão explícito nas suas intenções na letra quanto na produção musical descrita acima: “Eu vou cair nessa avenida/Eu vou/Eu vou atrapalhar a sua escola/Eu vou/ôÔÔôôÔôÔ/Vou sair pra atropelar seu enredo/A bateria correu/Todos os surdos com medo/E quem puxava o samba era eu”.

Thaís Gulin interpreta a canção Se eu soubesse que Chico Buarque fez para a própria e já cantou com ela: “Ah se eu soubesse nem olhava a Lagoa/Não ia mais à praia/De noite não gingava a saia/Não dormia nua/Não ia, assim, sonhar contigo jamais”.

ôÔÔôôÔôÔ é assim, o encontro de Thaís Gulin com o Rio, cidade que adotou há oito anos e que vem conquistando aos poucos, em pequenos shows calcados em seu primeiro disco, de uns quatro anos atrás. Mas se aquele refletia vinte e poucos anos de vivências, e vivências em Curitiba (que incluía canções do paranaense Arrigo Barnabé, mas também do paraibano Zé Ramalho ou do carioca Nelson Sargento), este ôÔÔôôÔôÔreflete exclusivamente vivências cariocas.
E o que emerge é um Rio encantador e misterioso, um Rio que se palmilha a pé, das caminhadas na Lagoa aos bares da Lapa, como nas canções peripatéticas da fase mais recente de Chico Buarque.  A canção Se eu soubesse, que Chico fez para Thaís e canta com ela, é, além de um grande opus buarquiano típico de sua produção atual, não menos representativo do leitmotiv carioca do disco. “Ah se eu soubesse nem olhava a Lagoa/Não ia mais à praia/De noite não gingava a saia/Não dormia nua/Não ia, assim, sonhar contigo jamais”.

Na produção musical da faixa, o teclado meio de brinquedo de Sacha Amback, o violoncelo de Jacques Morelembaum e, principalmente, a harpa de Cristina Braga conferem à canção tão realista de Chico uma atmosfera de sonho. Passear pelo disco de Thaís é um pouco isso: andar pelo Rio de Janeiro, mas um Rio de Janeiro algo suspenso, algo imaginário, onírico, real mas encantado. É andar por aí distraído, leve, como andamos no Rio, mas por vezes se deparar com altas voltagens musicais e poéticas.

Na valsa Horas cariocas, da própria Thaís, esse espírito fica ainda mais explícito. A instrumentação tipicamente carioca – com o violão de sete cordas de Luiz Filipe de Lima e o cavaquinho de estirpe de Mauro Diniz – mistura-se a guitarra, piano Rhodes e até uma flauta de êmbolo para reforçar a ideia de um Rio real e onírico (a tal “confusão das horas cariocas”), tão claro na letra.

O ambiente de sonho se evidencia na canção que Tom Zé canta com Thaís, Ali sim, Alice, inspirada em Alice no País das Maravilhas. A visão ao mesmo tempo onírica e real de Alice não deixa de ser mais um resumo do espírito do disco, esse realismo suspenso a dois centímetros do chão.

Outra faixa que encerra o espírito do disco, talvez a que na intimidade do pensamento da artista seja a mais significativa, é a pequena e densa peça instrumental The glory hole. A expressão inglesa designa os buracos na parede pelos quais as pessoas fazem sexo com desconhecidos em boates eróticas e, como na música, reflete o misto de medo e prazer, de atração e mistério, de íntimo e desconhecido que o Rio exerce em Thaís.

Thaís Gulin trabalhou o repertório de ôÔÔôôÔôÔa cada um dos dias que viveu no último ano, literalmente. Tanto que se o conteúdo é definido pela vivência carioca, a sonoridade do trabalho foi muito influenciada por viagens que ela fez no período a Buenos Aires e Belém.

De Buenos Aires, há sempre um clima de tango, de noites enfumaçadas passadas na rua ou na solidão do quarto, de uma imaginária ponte boêmia Caminito-Lapa. Tal ponte pode pegar um desvio para os bailes de Belém, como no delicioso carimbó Água, do produtor do disco Kassin. (Notem que na música feliz e relaxada de Kassin há a harpa no fundo, como que abrindo a cortina de sonhos, e há a ironia da letra, duas marcas tão fortes do disco).

Além do universo autoral muito claro (mesmo quando canta canções dos outros), Thaís sabe muito bem o que quer musicalmente. É precisa na forma de cantar, perfeita na afinação, na dicção mas, mais do que isso, no balanço, no humor (quando é o caso) e no lirismo, no estilo de cada canção. Trata-se, é evidente, de uma cantora que domina seu ofício. E que, por isso, pode ir além.

Há, neste sentido,  um prodígio neste disco, que o distingue dos trabalhos da maior parte das cantoras atuais, em geral com conteúdos divorciados das produções musicais. Em ôÔÔôôÔôÔ, Thaís finalmente une um conteúdo exemplar, melodias e letras marcantes, com uma produção musical moderna. Para isso, muito contribuíram os produtores Alê Siqueira e o próprio Kassin, escudeiros de Thaís (co-produtora do disco) nos arranjos e na sonoridade do disco, de atenção ao conteúdo e à melhor maneira de vesti-lo, indissociáveis.

Exemplos dessa adequação conteúdo/produção estão em cada faixa, mas quando o disco explora os gêneros musicais isso fica mais evidente. Como no Frevinho (parceria de Thaís com Moreno Veloso), ao mesmo tempo tradicional e cheio de pequenas invenções. Ou no xote-rock Revendo amigos, mais uma maravilha da dupla Jards Macalé e Waly Salomão (da melhor safra, 1972, originalmente escrita para uma velha novela da TV Tupi, Tempo de viver) redescoberta por Thaís e apresentada aqui numa versão crua de guitarra-baixo-bateria. Ou ainda em Little Boxes, velha canção de protesto caipira da americana Malvina Reynolds (música que abre a série de TV Weeds, que passa no cantal GNT) rearranjada com influência da moda de viola brasileira, numa curiosa união Sul (dos Estados Unidos)-Sul (do Brasil).

Seja numa daquelas baladas certeiras como Encantada, de Adriana Calcanhotto (uma cantora-compositora que fez o mesmo caminho de Thaís, do Sul para o Rio, trazendo uma nova visão carioca); numa parceria com Ana Carolina (e Kassin) como Quantas bocas (a grande canção pop do disco); ou num flerte de encomenda (para a novela homônima) com a MPB tradicional no tango (e faixa-bônus) Paixão Passione, de Ivan Lins e Ronaldo Monteiro de Souza, o que sobressai é sempre um pensamento e um estilo de uma cantora e compositora que sabe o que quer, e que tem um universo próprio. E que já fez uma opção artística e existencial clara, explícita na opção por se radicar no Rio, por fazer música brasileira com jeito contemporâneo, condensada na canção-manifesto assinada pelo jovem compositor carioca  Rodrigo Bittencourt, Cinema americano: “Prefiro os nossos sambistas”, canta Thaís, em mais um verso carioca e inusitado, como quase todos de ôÔÔôôÔôÔ.

COMO? ONDE? QUANDO?
STUDIO SP
Onde? Rua Augusta, 591 – Consolação – SP
Quando? Quinta-feira, 10 de Novembro às 22h
Quanto? R$ 30,00 na porta ou R$ 25,00 com o nome na lista do site até às 18h




Terça-feira é dia de badalar em São Paulo!

8 11 2011

Os DJs Fiervo e Spavieri comandam o projeto mensal Mezcla @ Bar Secreto. O convidado desse mês é o DJ Ney Faustini! O projeto tem um set delicioso para dançar e encontrar os amigos em um bar que nem precisamos falar que é o mais charmoso da cidade.

COMO? ONDE? QUANDO?
BAR SECRETO
Onde? Rua Álvaro Anes, 97 – Pinheiros – SP
Quando? Terça-feira, 08 de Novembro às 22h
Quanto? Com nome na lista R$ 30,00 de consumação até 00h30.Após R$ 50,00. Nome na lista no site do Bar Secreto
________________________________________________________________________________________________________________________________________
 

O Improvisado Balada Jazz é um evento cultural que acontece mensalmente na Casa das Caldeiras, em São Paulo e terá uma edição especial no Clube Berlin.

 Criado pelos músicos do Trio Improvisado, Marcelo Castilha (piano), Marcelo Cabral (baixo), Pedro Ito (bateria e percussão), o projeto migra durante o mês de Novembro para as Jazz Nights, e recebe instrumentistas convidados.

Com os DJs João Ciriaco e Waltinho Abud, com um set recheado de jazz, latinos, afro-beats, funk e outras batidas quebradas.

COMO? ONDE? QUANDO?
CLUBE BERLIN
Onde? Rua Cônego Vicente Miguel Marino, 85 – Barra Funda – SP
Quando? Terça-feira, 08 de Novembro às 22h
Quanto? Com nome na lista: Homem R$10,00. Mulher GRÁTIS. Lista para (listaberlin@gmail.comNa porta R$ 15,00 ou R$ 35,00 de consumação
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
 
A 2000&Go vêm para a pista 3D do Lions Club as terças para trazer o melhor do rock dançante da nova safra de artistas depois de 2000, e um pouquinho (mas só um pouquinho) do que é melhor para dançar antes disso também, para realizar essa seleção o DJ Angelo Malka que já tocou com figuras como Peter Hook (New Order/Joy Division) e Twin Shadow (revelação Coachella 2011) entre muitas outras leva a pista o fruto de sua pesquisa incansável e DJs da nova geração que estão sempre ligados no melhor que acontece dentre as vertentes do novo rock.
Você que além de dançar as conhecidas gosta de música direto do forno esta é a pista, com muito Indie Rock / Rock / Electro Rock / 00s!
 
Line up:
ANGELO MALKA
BEBETO LE GARFS
PEDRO KURTZ (Sense;now)
 
Não esquecendo que na pista do Lounge rola a Six Degrees com os djs:

Focka
Moócas Pride
Los Mosqueteiros

 
COMO? ONDE? QUANDO?
LIONS CLUB
Onde? Rua Brigadeiro Luis Antônio, 277 -Centro – SP
Quando? Terça-feira, 08 de Novembro às 23h
Quanto? R$ 40,00 de consumação com o nome na lista 2000andgo@gmail.com
 




> Entre os dias 10 a 20 de Novembro acontece o 19º Festival Mix Brasil de Cinema da Diversidade Sexual @ São Paulo!

7 11 2011

> Entre os dias 10 a 20 de Novembro acontece o 19º Festival Mix Brasil de Cinema da Diversidade Sexual @ São Paulo!

O tema desta edição é Diversidade Para Todos! O festival terá programação especial no Centro Cultural São Paulo, além das salas do Cinesesc Augusta, Cine Olido, Espaço Unibanco, MIS e sessão open air no Largo do Arouche.

A abertura para convidados será no Cinesesc Augusta no dia 10 de novembro, com a exibição do longa-metragem francês Tomboy, de Céline Sciamma, às 21h. O filme faturou o Teddy Jury Award no Berlin International Film Festival e melhor filme no Torino International Gay & Lesbian Film Festival,em 2011. O filme de abertura retrata a história de uma menina de 10 anos que muda com sua família para um novo bairro e se apresenta aos novos amigos como menino.
 
No dia 11 de novembro, às 19h, ocorre a abertura no Centro Cultural São Paulo, que será inteiro ocupado pelo Festival Mix Brasil. As salas Adoniran Barbosa, Jardel Filho, Paulo Emilio, Espaço Cultural Tarsila do Amaral e Ademar Guerra recebem as principais peças do teatro LGBT dos últimos anos. Durante a abertura, um trio de atores portugueses, apresentará  MistermissmissMister, performance dos bailarinos Ana Borralho, João Galante e Miguel Moreira.
 
Com preços simbólicos, a um real cada sessão, a produção teatral carioca Bent, As Três Velhas encabeçada pela atriz Maria Alice Vergueiro e Hipóteses para o Amor e a Verdade do grupo Sátiros, estão entre as peças selecionadas na 4ª edição do Dramática em Cena, que conta ainda com Dentro da Noite dirigida por Ney Matogrosso, o espetáculo Dizer e Não Pedir Segredo e Portar (ia) silêncio. A programação de teatro terá também o espetáculo infantil O Menino Teresa de Marcelo Romagnoli estrelado por Claudia Missura, que fala sobre a curiosidade que permeia a infância e mostra a determinação da personagem mirim Teresa em desvendar o universo masculino.

 
Uma exposição em homenagem a Claudia Wonder, será instalada no Foyer do CCSP com figurinos, fotos e pertences da artista performer que foi uma das figuras mais emblemáticas de toda uma geração. 
 
O Show do Gongo exibira produções independentes, que serão submetids ao júri popular e convidados comandado por Marisa Orth, na 12ª edição do tradicional Show. Os interessados poderão se inscrever no balcão de credenciamento durante o festival ou até minutos antes do inicio das gongadas, no dia 16 de novembro, no Teatro Sérgio Cardoso. As gongadas começam às 21h.  
 
João Federici e André Fischer, diretores do Festival Mix Brasil, contam que o festival bateu o recorde em inscrições nacionais. A seleção terá dois longas brasileiros, Teus Olhos Meus, do carioca Caio Soh e Vamos Fazer um Brinde, dirigido por Sabrina Rosa e Cavi Borges. E ainda com os documentários Famigerado, sobre o inquieto poeta tropicalista Jomard Muniz de Britto e Cuba Libre de Evaldo Morcazel, que retrata a volta da travesti cubana, Phedra D. Córdoba, ao seu pais após 50 anos  A produção de Kiko Goifman e Claudia Priscilla, Olhe Pra Mim de Novo, que conta a história do transexual Sylvio Lucio, em um road movie pelo sertão nordestino também está na seleção nacional.
 
Os filmes da Mostra Competitiva Brasil passarão pelo crivo de um júri que contempla formadores de opinião e pessoas ligadas ao cinema. Os filmes da mostra competitiva serão elegíveis ao Premio Aquisição Canal Brasil no valor de R$ 15 mil. O público também poderá escolher seus preferidos nas categorias Melhor Longa, Melhor Documentário e Melhor Curta-Metragem (brasileiro e estrangeiro) que receberão o troféu prateado. E ainda o Troféu Ida Feldman que irápremiar a personalidade que mais se destacar durante o evento.
 
Os destaques do programa Mundo Mix ficam por conta das produções italianas, uma homenagem ao ano da Itália no Brasil. São três documentários: 365 sem a 377 de Adele Tulli, Anjos no corredor da morte de Alessandro Golinelli e Rocco Bernini, e Augusta de Enzo Facente, todos produzidos em 2011. E ainda longas-metragens como a comédia Diferente de Quem?,de Uberto Carteni, e Na boca do lobo de Pietro Marcello e mais um programa de curtas-metragens.
 
A programação completa do 19º Festival Mix Brasil de Cinema da Diversidade Sexual já está disponível no site Mix Brasil.
 
COMO? ONDE? QUANDO?
Festival Mix Brasil de Cinema da Diversidade Sexual
Onde? São Paulo – CCSP,  Cinesesc Augusta, Cine Olido, Espaço Unibanco, MIS e sessão open air no Largo do Arouche
Quando? Entre os dias 10 a 20 de Novembro de 2011
Quanto? A partir de R$ 1,00
 




> Dia 11.11.11 tem inauguração da nova casa de show de São Paulo @ Cine Joia!

4 11 2011

Você com certeza já escutou burburinhos ou até mesmo já garantiu ingressos para uma das atrações que a nova casa de Show de São Paulo – Cine Joia vai trazer a partir do dia 11.11.11.

Instalado em um antigo cinema da década de 50, o Cine Joia reabre suas portas agora, em formato de casa de shows, no dia 11.11.11, a partir das 11.p.m., com uma festa apenas para convidados. Localizado no bairro da Liberdade, o Cine Joia surge para receber shows de médio porte, com a infraestrutura necessária e serviços de qualidade, sobre o olhar dos sócios André Juliani, Facundo Guerra e Lúcio Ribeiro.

O Cine Joia, sera uma espaço para apresentações de bandas e DJs que pretende ser inovador na experiência sonora, visual e de convivência. O “cine” do nome não é uma incongruência com a finalidade da casa de abrigar shows de rock, jazz, ska, punk, pop, indie, clássico, MPB.

A casa ganhou fama pela exibição dos filmes premiados do grupo Toho – com o foco principal no diretor Akira Kurasawa , primeiro para atender à comunidade nipônica em São Paulo, para depois cair nas graças da intelligentsia paulistana. Até ter suas portas como cinema fechadas na década de 1980, para virar um templo de uma igreja pentecostal.

Após grande intervenção estética e tecnológica, o Joia reabre em novembro para continuar sendo um templo, mas agora para os devotos da música. Sua repaginada levou em conta a experiência e respeitabilidade de produção, realização e curadoria que os sócios da nova casa têm em conjunto.

Com uma intensa programação, já confirmados : Ladytron, Boss in Drama, Kings of Convenience, Pete Doherty e Delinquent Habits. O Cine Joia foi criado para servir de palco para shows de médio porte, com a infraestrutura necessária para receber bandas nacionais e internacionais, em ascensão ou já consagradas, e que possuem um público fiel e afinados com cenário musical contemporâneo. Nele se apresentarão apenas projetos de música ao vivo, ou os chamados “lives”, no caso da música eletrônica. As festas onde existe apenas a apresentação de música mecânica estarão fora de sua programação. A intenção é retomar a ideia da casa de música, ou como os gringos chamam, o tradicional “music hall”.

Com capacidade para 1.500 pessoas, o espaço do lugar é dividido em três ambientes: pista, plateia superior – onde estão localizados os camarotes – e miniclube. A programação do Cine Joia é dedicada a shows, mas sem deixar de lado outras manifestações culturais, como projetos musicais variados e espetáculos que contemplem vários tipos de mídia.

O Cine Joia é também a primeira casa de shows do mundo a utilizar iluminação através da técnica de projeção 3D Mapping. Também conhecida como Light Mapping, a tecnologia transforma os lugares projetados em uma espécie de tela de cinema 3D gigantesca ao mapear imagens 2D em superfícies não-planas. Por esse motivo a casa de shows faz jus ao “Cine” de seu nome: a projeção voltará a ser a grande atração do espaço, mas agora como suporte para a apresentação da banda que se encontra em cima de seu palco. Desta maneira, não é a banda que se adapta ao Cine Joia, mas o contrário: o Joia será maleável o suficiente para ser um espaço totalmente novo a cada atração que o ocupar. Cada experiência de show será, portanto, única.

Quer conhecer esse lugar incrível? Então garanta o seu ingressos para um dos enventos no facebook do Cine Joia!

COMO? ONDE? QUANDO?
CINE JOIA
Onde? Praça Carlos Gomes, 82 – Liberdade – SP
Quando? Abertura só para convidados – 11.11.11 às 11:11
Quanto? Apenas para convidados 




} Dia 05 de Novembro acontece a Festival Planeta Terra @ Playcenter!

31 10 2011

image

} Dia 05 de Novembro vai rolar o Festival Planeta Terra @ Playcenter!

O festival mais comentado de São Paulo e do Brasil o Planeta Terra Festival, vai acontecer em 05 de Novembro de 2011. O line up: The Strokes, Toro Y Moi, Peter Bjorn and John e Beady Eye ( liderada por Liam Gallagher ex-Oasis), Interpol, Goldfrapp, Broken Social Scene, White Lies, Criolo, Garotas Suecas, The Name, Bombay Bicycle Club, Criolo, Gang Gang Dance, Groove, Nação Zumbi, The Name.  

Os ingressos estão esgotados.

COMO?ONDE?QUANDO?
Planeta Terra
Onde? Playcenter Rua José Gomes Falcão, 20 – SP
Quando? 05 de Novembro de 2011
Quanto? De R$ 300,00 a R$ 100,00




> Dia 06 de Novembro Interpol faz show extra em SP @ Clash Club!

31 10 2011

> Dia 06 de Novembro, Domingo a banda Interpol faz show extra em SP @ Clash Club!

Formada atualmente por Paul Banks (vocal e guitarra), Daniel Kessler (guitarra e vocal) e Sam Fogarino (baterista), a banda Interpol confirma passagem pelo Brasil e faz show extra no Clash Club. O show será aberto ao público, mas com venda de ingressos limitada, com preços que variam de R$ 70,00 (estudante) a R$ 140,00. Pré-venda de ingressos no site da Interpol dias 24 e 25 de agosto e venda aberta ao público a partir do dia 26.

Interpol esta na estrada desde 1997. Agora com a divulgação do novo trabalho auto-intitulado, que será lançado no dia 13 de setembro. O trio já possui uma agenda repleta de apresentação até o final do ano, com passagem pela América do Norte, Europa e Reino Unido. Além disso, nas datas finais da turnê, o trio vai acompanhar os shows da banda U2, passando pela França, Espanha, Itália, Bélgica e Portugal.

Com três discos lançados, a Interpol obteve a consagração com o primeiro álbum intitulado “Turn On The Bright Lights” (2002), ganhou disco de ouro com “Antics” (2004) e em 2007, alcançou as paradas de sucesso do Reino Unido e Estados Unidos com “Our Love to Admire”.
 
O trio é uma das bandas que se apresenta no Festival Planeta Terra dia 05 de Novembro!
 
COMO? ONDE? QUANDO?
CLASH CLUB
Onde? Rua Barra Funda, 969 – Barra Funda- SP
Quando? Domingo, 06 de Novembro as 21h
Quanto?  R$ 70,00 (estudante) / R$ 140,00 inteira. Compra pelo site Ingresso Rapido 




> Sexta-feira tem show do Vanguart @ Museu da Imagem e do Som!

31 10 2011

Sexta-feira, 04 de Novembro tem show do Vanguart @ Museu da Imagem e do Som!

A banda Vanguart, revelação do cenário indie nacional, apresenta seu folk rock na terceira edição Estéreo MIS, projeto mensal do MIS (instituição da Secretaria de Estado da Cultura) que tem por objetivo fomentar a música independente brasileira. O show acontece no dia 4 de novembro, sexta-feira, às 21h30 no Auditório MIS.

O grupo, formado por Helio Flanders (vocal e violão), Reginaldo Lincoln (baixo), Douglas Godoy (bateria), David Dafré (guitarra) e Luiz Lazzaroto (teclado), apresenta as músicas de seu segundo álbum, “Boa Parte de Mim Vai Embora”. O disco é composto por 13 faixas autorais, todas em português, com exceção de “Mi Vida Eres Tu”, com trechos em espanhol. Melancólico e romântico, o novo trabalho “fala sobre a alegria e a tristeza de encontros, desencontros, partidas e chegadas” – explica o compositor, vocalista e violonista Hélio Flanders.

Para a gravação de “Boa Parte de Mim Vai Embora”, a banda recrutou a violinista Fernanda Kostchak. Ela aparece na capa do disco, e participa tanto da gravação e arranjos de algumas canções do disco como dos shows da banda nessa nova turnê, passando a ser a sexta integrante do Vanguart.

COMO? ONDE? QUANDO?
MIS
Onde?  Avenida Europa, 158 – Jardim Europa – SP
Quando? Sexta-feira, 04 de Novembro às 21h30
Quanto? R$ 14,00 Compra pelo site Ingresso Rápido